domingo, 21 de junho de 2009

A partir daí é sempre a perder

Recentemente em conversa com uma amiga, num momento em que tive de enfrentar a dura realidade do suicídio de alguém que fazia parte da minha vida, ela disse-me uma frase da mãe dela. “ A vida é boa quando nascemos, a partir daí é sempre a perder”
.
Esta frase provocou-me, silenciosamente, uma quantidade de perguntas que despertaram uma imensa tristeza. Claro que tudo passa por nestes momentos, revermos a nossa vida.
Olhar para trás não entendo o que possa ter de bom! Sinceramente não me parece uma atitude inteligente. Além do mais as recordações tristes são mais visíveis do que os ténues momentos de felicidade.
.
Tudo corre bem até aquele momento em que resolvemos interrogar-nos. Já não porque a nossa vida se perdeu no que fizemos e nas nossas escolhas ou nos nossos trajectos. Não. Nada disso.
Dói mesmo é quando pensamos o que será a nossa vida daqui a uns anos. PUTA MADRE.
.
O presente não é muito a meu gosto, confesso. Nada de importante se passa. Aliás vai acontecendo. Pensar no futuro é que é uma canseira maldita.
.
Adiante. Imagino aqueles (muito poucos, quase zerinho) que por qualquer acaso por aqui se detenham a ler este pequeno apontamento a pensarem, mais uma a reclamar de barriguinha cheia. Pois, tenho mania de me questionar. TONTERIAS.

Quem já por este mundo não anda não tem problemas "pequenininhos" destes, da "vidinha" do dia a dia. De pagar contas. De escolher férias para filho. De cuidar da mãe. De aturar a Manuela Ferreira Leite. De aturar superiores idiotas. De acordar todos os dias e ir trabalhar.
.
A verdade é que me apetecia ganhar o totoloto, mais algum dinheiro repunha-me uns tantos cabelos pretos. Mais algum dinheiro trazia-me mais serenidade. O medo de não saber se consigo chegar ao final do mês, a certeza que o meu filho não vai ter uma série de coisas que o dinheiro ajudaria, e falo da formação dele deixa-me com estas estúpidas questões acerca do que será o meu futuro.
.
Imaginar o que estarei a fazer em 2014 só acontece porque a continha anda sempre tão próximo do zero. Se eu tivesse muito dinheiro não me questionava desta forma tão aparvalhada.
.
É por estas e por outras que a vida é casa trabalho - trabalho casa. Estranho porque ao acabar de escrever este texto, ocorreu-me o que seria se também o trabalho me faltasse.
Não vou pensar em 2014. Haja saúde. Continue a existir emoção. Mergulhemos.

Um beijo Pai 20-06-2009
.

10 comentários:

sem-se-ver disse...

(não verifiquei qualquer aparvalhamento nas suas questões)

cs disse...

:))Obrigada

norrin disse...

dinheiro conta porque temos de o contar, mas acho que é tudo acerca de mergulhar e voltar à superfície, de quem mergulha connosco e quem está cá em cima.
quem me dera estar a escolher férias para o meu puto...

cs disse...

norrin

é sim. é mergulhar e voltar. mergulhar e voltar.

(e quando simplifica os comentários no seu blogue? é a segunda vez que tento e depois de duas ou três tentativas desisto)

Bom Verão

norrin disse...

vou tentar "ressimplificar"...

elle disse...

qq dia estou licenciada em "como viver um dia de cada vez..."




(e o raio do curso é difícil, pá!)

cs disse...

elleeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

bem voltada e com foto nova

:)))

elle disse...

;)

Anonyma disse...

sempre a perder?
não sei, não sei, não...
perdi tanto, é verdade.
mas outras coisas, se não tivesse vivido para perder, não teria ganho...

cs disse...

anonyma

acho que já passei a fase de achar que ganhei. claro que ganhei mta coisa. O deve e haver farei lá mais para os anos 30 ou 40 deste xxi sec

Number of online users in last 3 minutes